Imprensa

;
05-Mar-2020 11:16 - Atualizado em 05/03/2020 11:27
Cidades Inteligentes

Projetando cidades inteligentes: uma abordagem humana

2020, imprensa, Image © UNStudio
Brainport Smart District, Helmond, NL.Image © UNStudio

Escrito por Christele Harrouk | Traduzido por Vinicius Libardoni
Até 2025, a Frost and Sullivan, uma empresa de pesquisa de mercado, previu que haverá pelo menos 26 grandes cidades inteligentes em todo o mundo. Enquanto alguns ainda pensam que, à medida que nossas cidades se tornam mais inteligentes, elas se parecerão com filmes futuristas de ficção científica, a realidade é que a qualidade de vida nessas cidades melhorará drasticamente. As cidades estão definidas para se tornarem mais eficientes com melhores serviços. No entanto, antes de atingir esses ideais, vamos voltar ao processo em si e avaliar os desafios que poderemos enfrentar.

Como o conceito de cidades inteligentes ainda é muito novo, com raros projetos finalizados e implementados, o tópico ainda não está claro. Embora grandes títulos e estratégias estejam bem definidos, a aplicação no terreno ainda é incerta, dando-nos a oportunidade de questionar seu processo de planejamento. De fato, como podemos errar ao projetar cidades inteligentes? Que elemento chave estamos deixando de abordar na fase de planejamento?

março, 2020, editor, © Shutterstock/ By GaudiLab
Smart city technology concept, young woman using modern urban application of bus stop in Barcelona for find out schedule of transport,.© Shutterstock/ By GaudiLab

A resposta é bem simples. Enquanto muitos líderes da cidade tentam pular fases cruciais de planejamento para ganhar tempo e economizar dinheiro, eles costumam fazer isso reduzindo o envolvimento da comunidade. Reunir dados e envolver todos os cidadãos para expor as falhas e as necessidades da sociedade é geralmente um processo extenso. Na verdade, eles preferem adotar tecnologias básicas e planos diretores genéricos, do que questionar os problemas enfrentados pelos cidadãos e gerar um projeto baseado em soluções. As autoridades governamentais priorizariam a tecnologia em detrimento das pessoas e não o contrário. Evoluindo para a prática comum, muitos burocratas elogiam uma abordagem de baixo para cima, mas não alcançariam a parte menos afortunada e mais marginalizada da sociedade.

março, 2020, editor,
© Shutterstock/ By THINK A

Negligenciar o componente humano é de longe o pior erro que uma aspirante cidade inteligente pode fazer. Se essas futuras cidades inteligentes buscam eficiência, elas simplesmente não podem ser planejadas sem a comunidade. John Harlow, especialista em pesquisa de cidades inteligentes do Emerson College Engagement Lab, afirma ainda que “a inteligência nas cidades vem de pessoas que entendem o que é importante para elas e que problemas estão enfrentando”. Portanto, uma cidade não pode ser considerada inteligente se não girar em torno dos humanos.

março, 2020, editor, Image Courtesy of Foster+ Partners
Masdar City. Image Courtesy of Foster+ Partners

Enquanto as cidades inteligentes estão se tornando uma ferramenta de marketing, com estratégias idênticas implementadas em todo o mundo, Harlow sugere começar pequeno. Com intervenções do tipo acupuntura, os líderes da cidade podem identificar os principais problemas e experimentar tecnologias. De fato, começando com uma fase piloto, onde diferentes tecnologias podem ser experimentadas, monitoradas e alteradas de acordo com resultados tangíveis, as cidades podem alcançar soluções mais eficientes. Além disso, ao criar esse tempo de teste, é possível coletar feedback da comunidade. As pessoas podem se familiarizar com essas novas ferramentas e apresentar suas idéias, melhorando eventualmente seu desempenho.

março, 2020, editor, © Shutterstock/ By elenabsl
Smart city with modern skyscrapers.© Shutterstock/ By elenabsl

A tecnologia das cidades inteligentes não consiste necessariamente em veículos e drones autônomos. De fato, ele pode tomar iniciativas mais simples, como sensores de qualidade do ar próximos a rodovias, sensores de água em drenos de águas pluviais ou câmeras que podem coletar dados sobre o número de pessoas em um local público, a fim de compreender melhor seus hábitos comuns. Por fim, falando em dados, quando se trata de gerenciamento, Harlow sugere também envolver a comunidade, para que as pessoas possam confiar no sistema e tomar as medidas necessárias para corrigir erros.

O governo e a comunidade acreditam que qualquer tecnologia pode resolver problemas. Mal sabem eles que, colocando as pessoas no centro da equação, elas podem iniciar uma conversa melhor, determinar problemas específicos e encontrar soluções contextuais baseadas em tecnologia para corrigir esses obstáculos.

Arch Daily
Deixe seu Recado