Imprensa

;
28-Jul-2009 12:00 - Atualizado em 16/03/2016 09:08

Parecidos no tamanho, opostos na tecnologia

Filipe Serrano e Bruno Galo

Netbooks, repare, são os computadores mais simples possíveis que podem ser fabricados e vendidos hoje em dia. Já os smartphones, não. São celulares que estão no topo da cadeia evolutiva da telefonia móvel, ou seja, trazem as tecnologias avançadas que viram referência para o futuro dos telefones.

Enquanto no mercado de PCs, a maior tendência hoje é a miniaturização - o que significa também uma menor capacidade de processamento, os celulares continuam agregando novas tecnologias numa velocidade que até pouco tempo era vista só no desenvolvimento de computadores desktops.


Na árvore genealógica da computação pessoal, os netbooks estão em um galho que se separou dos notebooks e começa a se misturar com os ramos da árvore ao lado, em que estão os smartphones. Mas a verdade é que os netbooks também inauguraram um novo mercado. Apesar de ser um computador mais simples, daqui para frente o netbook também vai ganhar maior capacidade, mantendo o tamanho pequeno ou até menor.

A Palm é a empresa que melhor representa a evolução no mercado de portáteis. Começou fabricando "computadores de mão" até que o dia em que estes aparelhos não faziam mais sentido, pois que os celulares começaram a ficar parecidos com os gadgets por ela fabricados. E se viu forçada a mudar radicalmente.


Por enquanto, telefones com recursos de PC são o foco da empresa. Mas, se daqui para frente surgir um aparelho intermediário entre netbooks e smartphones, ela pode até voltar a trabalhar no mercado em que começou. "Neste momento parece que dar um passo atrás é andar para frente", diz Marcelo Zenga, diretor de marketing da Palm no Brasil.


Outro fabricante que também se vê em um embate atualmente é a Research In Motion (RIM), que produz o Blackberry, smartphone bastante adotados por executivos. Ela ainda não despontou para o mercado de PCs portáteis. Para Alex Zago, gerente de inteligência de mercado da empresa, o futuro será feito de uma variedade de tipos, tamanhos e tecnologias em aparelhos diferentes em vez de um único equipamento.

"A taxa de evolução dos computadores está muito mais lenta que a dos telefones. Ainda vai demorar muito para ocorrer essa comodidade tecnológica com os smartphones. Ele está agregando tanta coisa em um terminal que eu não sei onde vai parar", afirma Zago.

 Celular tornará tudo obsoleto?

Da câmera fotográfica ao radinho de pilha, todos os aparelhos foram aos poucos sendo assimilados pelos telefones celulares. Se o computador também será, ninguém sabe, mas a história de outros aparelhos ajudam a apontar a resposta. Algumas coisas já são tão populares nos telefones que praticamente não faz sentido que existam fora do aparelho. Por exemplo, o rádio portátil. Por que alguém precisa de um aparelhinho desses se todos os telefones servem para sintonizar qualquer estação? A mesma coisa vale para o MP3 player.

Já a câmera fotográfica ainda é usada em situações especiais, como viagens. Mas não é difícil de imaginar que câmeras basiquinhas vão deixar de existir quando todos os celulares tiverem lentes boas com resolução de 5 megapixels. Até os GPS automotivos terão de se reinventar para não serem substituídos pelo telefone. Parece impossível, mas e se um dia for tão fácil usar o telefone para digitar textos, trabalhar e navegar?

O Estado de São Paulo
Deixe seu Recado